ADOÇÃO

ADOÇÃO

Quando pensamos em adoção, várias dúvidas surgem e com elas alguns questionamentos sobre o tema. Por exemplo: qual a motivação para a adoção; se existe uma idade ideal para a criança ser adotada, se vão haver diferenças entre o filho adotivo e o biológico; se fatores desconhecidos da hereditariedade vão influenciar o desenvolvimento do filho adotivo, etc. Enfim, são várias as nuances que envolvem o assunto.
O tema da adoção é amplo e envolvente, e traz consigo controvérsias, questões e vivências carregadas de emoção.
O desejo de procriação e continuidade através da experiência da maternidade e paternidade é uma das características essenciais do ser humano. De maneira geral, homens e mulheres desejam ter e criar seus filhos, realizando-se tanto na esfera biológica quanto psíquica.
Assim, a adoção representa, de modo geral, uma forma de proporcionar uma família as crianças que não podem, por algum motivo, ser criadas pelos pais que a geraram. E representa ainda, a possibilidade de ter e criar filhos para pais que apresentam limitações biológicas ou que optam pelo cuidado de crianças com quem não possuem ligação genética.

POR QUE ADOTAR?
A pergunta “por que adotar” é essencial para que o casal possa refletir e levar adiante o processo de filiação presente na adoção.
Existem várias razões relatadas pelos pais que recorrem à adoção: a esterilidade de um ou ambos os pais; a morte anterior de um filho; o desejo de ter um filho quando já se passou da idade em que isto é possível biologicamente; a idéia de que “há muitas crianças necessitadas, e que se estará ajudando-as e fazendo um bem à sociedade”; o contato com uma criança que desperta o desejo da maternidade ou paternidade; ou parentesco com os pais biológicos que não possuem condições de cuidar da criança; homens e mulheres que anseiam por ser pais, mas não possuem um parceiro amoroso; o desejo de ter filhos sem ter de passar por um processo de gravidez, por medo deste processo ou até por razões estéticas… (p.17)
A experiência mostra que apenas o desejo de ajudar, amar uma criança, não é razão suficiente para adoção. A experiência de filiação inclui vivências e emoções das mais diversas, por longos períodos de tempo, senão pela vida inteira, e as famílias estão sempre diante de desafios e de busca de integração. Para que isto ocorra de maneira harmoniosa, é preciso que os pais tenham claro que desejam um filho e que não estão apenas “fazendo o bem”. Assim como qualquer filho biológico, é importante que a criança adotiva sinta que tem um lugar escolhido dentro de uma família e que não represente a prova da “bondade” de seus pais. (Levinzon, 2009)
Muitas vezes, ao se falar de adoção, são sublinhadas as dificuldades que podem ocorrer nesse processo. É importante ressaltar, no entanto, que a relação entre pais e filhos adotivos é apenas mais uma relação humana, com todas suas vicissitudes e paixões.
O equilíbrio emocional depende de uma multiplicidade de fatores, e a adoção por si só não pode ser responsabilizada pelos problemas que surgem em uma família ou em um dos integrantes.
O grande desafio da família adotiva encontra-se na aquisição e fortalecimento do sentimento de filiação. Não tendo um vínculo de sangue, muitas vezes há um sentimento de que o elo familiar não é sólido de fato. O sentimento de pertinência, no qual tanto a criança quanto os pais sentem que pertencem uns aos outros, precisa ser construído.
Ao conversarem com seus filhos sobre a adoção de maneira natural, simples, honesta, e nos momentos oportunos, os pais lhes ensinam que não é algo que tenha de ser “um problema”. Poder expressar seus sentimentos, dúvidas, e ser ouvido, auxilia o desenvolvimento de uma sensação de intimidade e proximidade, e permite a criança a conquista de uma identidade própria. (p.132)
Quando predomina na família o sentimento de uma vinculação sem reservas, e as pessoas se sentem unidas mesmo diante de momentos extremamente turbulentos, há lugar para superação das dificuldades. A sobrevivência da ligação diante das “tempestades emocionais” ou das pequenas “ventanias” dá aos integrantes do grupo familiar o sentimento de uma vinculação sólida e real. Podemos então falar em uma adoção real. (p.133)

TRISTEZA OU DEPRESSÃO?

Qualquer pessoa pode ficar triste, ter um momento de mau humor em função de uma decepção amorosa ou profissional, da …

O CASAMENTO & A CHEGADA DOS BEBÊS!

Todas nós sabemos que a vida conjugal muda após a chegada dos filhos, aliás, muda tudo! Por mais que os filhos tenham …

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

A gravidez foi desejada, o parto correu dentro da normalidade, o quartinho do bebê é um encanto, a família está em estado …